Obra do Mês | Maio 2017

 

AMÍLCAR DE CASTRO (1920-2002)
Composição
Gravura, 60 x 95 cm
Assinado embaixo à direita
Adquirido em 1995
Cat. 2015, no. 459, pág. 108

O artista

Um dos nossos mais importantes escultores do Séc. XX, figura exponencial do concretismo e do neoconcretismo brasileiros, Amilcar foi também pintor, desenhista, gravador e designer gráfico, responsável pela reformulação visual de vários órgãos da imprensa nacional. 

A obra

Encerradas num grande retângulo negro, formas retangulares verticais dialogam com outra maior, horizontal, num embate entre vermelhos e ocres.

 

A análise

De todas as artes, a música é a mais abstrata, pois não procura reproduzir o mundo visível, e sim despertar emoções através de sons produzidos por instrumentos especialmente fabricados para tal; a pintura, ao contrário, é por sua natureza imitativa, pois tende a criar emoções pela reprodução das formas e cores do mundo visível. Quando a música busca reproduzir os sons da natureza ou evocar formas do mundo concreto, está-se perante o poema sinfônico, gênero criado no Séc. XIX por Liszt (Quadros de uma Exposição, de Moussorgsky; Catedral Submersa, de Debussy); quando a pintura, afastando-se da reprodução das formas e cores naturais, aproxima-se da música, tem-se a pintura abstrata, surgida em começos do Séc. XX com Kandinsky e outros. Já agora podemos ver a obra de Amilcar – significativamente chamada de Composição – com outros olhos: é pintura que se quer música, que nos fala a linguagem muda das formas e cores puras, desligadas de qualquer intenção representacional.

José Roberto Teixeira Leite
Curador do Acervo FIEO


O artista pensou em seguir a carreira de advogado na juventude, inspirado pelo pai que era juiz.

 

Data e local que a obra será exposta:

Data: De 2 a 31 de maio de 2017
Local: UNIFIEO – Centro Universitário FIEO – Portaria do Bloco Branco – Campus Vila Yara